featured

Maioria dos usuários do Mais Médicos dá nota 10 ao programa

agosto 03, 2015Senador Georgino Avelino Minha Cidade

Maioria dos usuários do Mais Médicos dá nota 10 ao programa
O programa Mais Médicos, do governo federal, é muito bem avaliado pela população que usa o serviço. Levantamento mostra que 54% dos usuários entrevistados dão nota 10 ao programa Mais Médicos, criado em 2013 para levar médicos a regiões carentes do Brasil.

Na média, os usuários dão nota nove ao programa. É o que aponta pesquisa feita pelo Grupo de Opinião Pública da Universidade Federal de Minas Gerais.

Comparando com o período anterior à chegada dos médicos do programa, 84% acham que o atendimento melhorou muito, 83% apontam melhora na duração da consulta e 81% acreditam que o profissional conhece mais os problemas de saúde do que os médicos anteriores.

Encomendado pelo Ministério da Saúde, o estudo aponta que, diferentemente do que os que são contra o programa pensavam, a maioria dos pacientes atendidos pelos médicos estrangeiros não sentiu dificuldades na comunicação. Os dados apontam que 84% não tiveram dificuldades de entendimento e que apenas 2% sentiram muita dificuldade.

Para Helcimara Telles, coordenadora da pesquisa, o que faz com que o programa seja bem avaliado é o atendimento médico. ”Mesmo que a infraestrutura da Unidade Básica de Saúde não seja muito boa, quando o atendimento médico é bom isso repercute bem na avaliação do programa”, defende a pesquisadora.

Para a coordenadora, essa satisfação pode estar ligada à experiência dos médicos, já que 63% dos profissionais têm mais de dez anos de experiência, a maioria na atenção básica.

O perfil do usuário mostra que a maioria (80%) dos pacientes são mulheres, com filhos, renda de até dois salários mínimos e que 40% recebem Bolsa Família. “Isso mostra que o programa está atendendo o público alvo”, explica Helcimara.

Os resultados da pesquisa foram apresentados durante o 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, em Goiânia. As entrevistas foram feitas em Unidades Básicas de Saúde de 700 municípios de todas as regiões do país entre 17 de novembro e 23 de dezembro de 2014. A margem de erro é 1%.

Para a doutora em saúde pública e professora do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Lígia Bahia, o programa cumpriu um papel importante no atendimento em áreas carentes.

“Ele não muda a estrutura do sistema público de saúde, mas ele foi capaz de levar assistência a uma parcela da população que não tinha”, avalia a pesquisadora.

Ela destaca que os médicos cubanos são muito experientes e bons e que isso pode ter levado à avaliação tão positiva dos pacientes. No entanto, Lígia contesta o modelo de dar uma nota ao programa.

“Uma nota resumo não é um método adequado para uma pesquisa de satisfação do usuário”, defende.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações da Agência Brasil

Image and video hosting by TinyPic

You Might Also Like

0 Comments

NOSSA PÁGINA

Contatos:
(084) 99212 - 7306
marconeptgeorgino@hotmail.com
Senador Georgino Avelino Minha Cidade
Informações 24/7

Formulário de contato