Familiares reclamam da falta de informações sobre presos em Alcaçuz

janeiro 16, 2017Senador Georgino Avelino Minha Cidade

Familiares reclamam de falta de informações sobre presos de Alcaçuz (Foto: Andrea Tavares/G1)
A angústia toma conta da família da dona de casa Camilla Bianca, de 26 anos, que tenta confirmar se o marido dela está entre os mortos do massacre da Penitenciária Estadual de Alcaçuz. Após 14 horas rebelados, os detentos se renderam no início da manhã do domingo (15) logo que o Batalhão de Choque da Polícia Militar e o Grupo de Operações Especiais (GOE) entraram nos pavilhões. A Secretaria Estadual de Segurança Pública confirmou que pelo menos 26 detentos foram encontrados mortos. Destes, 15 estavam decapitados.

Desde sábado Camilla e outras famílias tentam, sem sucesso, obter informações oficiais sobre o estado de saúde dos presos. “É muito triste nossa situação. Só pedem pra aguardar e nunca dizem nada. A gente tem que ficar indo atrás, mas acho que nem eles sabem”, critica.
Camilla preferiu preservar o nome do marido, com quem está casada há sete meses. Ele foi preso em flagrante com 200 quilos de maconha e cumpre pena de 5 anos por tráfico de drogas.

O governo do Rio Grande do Norte confirmou 26 mortes durante a rebelião. Alcaçuz fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal, e é o maior presídio do Rio Grande do Norte. A penitenciária possui capacidade para 620 detentos, mas abriga cerca de 1.150 presos, segundo a Sejuc, órgão responsável pelo sistema prisional potiguar.

Na noite do sábado, quando logo após o início do motim, as mulheres montaram uma vigília em frente ao presídio. Elas imploravam pela intervenção da Polícia Militar e chegaram a entrar em confronto com policiais, cobrando uma atitude para evitar o massacre dentro da unidade, que ocorreu principalmente dentro do pavilhão 4 e foi iniciada por membros do pavilhão 5 (Rogério Coutinho Madruga).

Na manhã do domingo, as mulheres dos presos fizeram uma corrente de oração, na qual entoaram cantos e pediram uma solução para a situação dos homens. "Eu estou desde ontem aqui esperando a confirmação de que é meu filho que morreu. Eu acho que é ele pela foto que vi no celular, mas não quero acreditar que seja até que eu possa olhar pra ele, nem que seja em um caixão", relatou a comerciante Patrycia Soraya, que preferiu preservar a identidade do filho.

O Instituto Técnico-Científico de Perícia do Rio Grande do Norte (Itep) começou nesta segunda-feira (16) o que chamou de "operação de guerra" para a identificação dos corpos, com a vinda de legistas do Ceará e da Paraíba para auxiliar nos trabalhos. Segundo Thiago Tadeu, chefe de gabinete do Itep, a identificação será feita através da digital, da arcada dentária e até de exame de DNA quando necessário.
Rebelião
Com 26 mortos, a rebelião na Penitenciária de Alcaçuz foi a mais violenta da história do Rio Grande do Norte. O motim começou com uma briga entre presos dos pavilhões 4 e 5 por volta das 17h de sábado (14). Segundo o governo, a briga estava restrita aos dois pavilhões. Presos de facções criminosas diferentes ficam separados.

De acordo com a Sejuc, os próprios presos desligaram a energia do local e, com isso, os bloqueadores de celulares deixaram de funcionar.
Na manhã de domingo (15), militares do Bope e do Choque, além do Grupo de Operações Especiais, entraram em Alcaçuz com veículo blindado, vans e carros para acabar com rebelião. Ela foi controlada por volta das 7h20, mais de 14 horas depois do início.

Do G1 RN

Image and video hosting by TinyPic

You Might Also Like

0 comentários

NOSSA PÁGINA

Formulário de contato