featured

Na véspera do terremoto contra Temer, mídia muda de assunto

janeiro 29, 2017Senador Georgino Avelino Minha Cidade

Três principais jornais do País - Folha de S. Paulo, O Globo e Estado de S. Paulo, amanheceram neste domingo, 29, com cara de paisagem em relação ao assunto mais importante do País neste momento: a homologação das delações premiadas dos 77 executivos da Odebrecht, que pode ser feita pela ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, nesta segunda-feira, 30; nenhum dos três jornais que participaram ativamente da derrubada da presidente Dilma Rousseff, dedicou destaque ao assunto; enquanto a mídia finge que não vê a delação da Odebrecht, a ministra Cármen Lúcia trabalha no fim de semana para homologar os acordos; citado em pelo menos quatro delações da Odebrecht, Michel Temer pode não terminar 2017 no Palácio do Planalto

247 - Os três principais jornais do País - Folha de S. Paulo, O Globo e Estado de S. Paulo, amanheceram neste domingo, 29, com cara de paisagem em relação ao assunto mais importante do País neste momento: a homologação das delações premiadas dos 77 executivos da Odebrecht, que pode ser feita pela ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, nesta segunda-feira, 30.

Nenhum dos três jornais que participaram ativamente da derrubada da presidente Dilma Rousseff, dedicou destaque ao assunto. A Folha preferiu trazer em sua manchete que notícia do aumento da inadimplência no Fies, o financiamento estudantil, que subiu para 53% em 2016. Jornal chefiado por Otávio Frias Filho dedicou apenas uma fotolegenda da ministra Cármen Lúcia.

Já o jornal da família Marinho optou por falar sobre o monitoramento das fronteiras do País, onde apenas 4% são monitoradas. Enquanto isso, o jornal Estado. de S. Paulo se dedica à safra de grãos do Brasil, que injetará R$ 200 bilhões na economia, num esforço para trazer otimismo à atividade econômica combalida pela política de Michel Temer. 

Enquanto a mídia finge que não vê a delação da Odebrecht, a ministra Cármen Lúcia trabalha no fim de semana para homologar os acordos. Com a morte do ministro e relator dos processos da Lava Jato no Supremo, Teori Zavascki, em queda de avião na semana passada, ficou nas mãos de Cármen Lúcia a tarefa de decidir tanto sobre as homologações, quanto sobre quem herdará a relatoria.

Como plantonista do recesso do Judiciário, Cármen Lúcia pode decidir questões urgentes até o dia 31 de janeiro. Além disso, na terça-feira o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao STF um pedido de urgência para a homologação das delações, abrindo espaço para a presidente do Supremo autorizar as homologações antes do início dos trabalhos, no dia 1º de fevereiro.

A abertura do ano judiciário, prevista para a próxima quarta-feira, é encarada por essa fonte como um "divisor de águas" para a ministra externar sua decisão.

Image and video hosting by TinyPic

You Might Also Like

0 comentários

NOSSA PÁGINA

Formulário de contato